O teste do desinfetante Por: Raquelsilva Silva

É muito comum a utilização de desinfetantes para deixar os ambientes limpos e cheirosos. Mas será que esses produtos são realmente eficientes para a eliminação de microorganismos? Com o teste descrito logo a seguir, você poderá avaliar essa eficiência, observando a presença de microorganismos em superfícies, antes e depois do tratamento com desinfetantes.

 

Materiais Necessários

  • Desinfetantes
  • Placas de Petri com meio de cultura – Ágar simpl
  • Zaragatoas (espécies de cotonetes utilizados para
  • Solução salina estéril

Fase 1 - Preparo dos meios de cultura e placas

Para a realização desse experimento podem ser utilizados dois meios de cultura comuns na rotina dos laboratórios de microbiologia: ágar simples e ágar Sabourand. Veja a seguir os protocolos para o preparo desses meios.

Ágar Simples Para 100 ml de meio de cultura

Peptona 1,0 g Extrato de carne 0,3 g NaCl 0,5 g Agar 1,5 g 100 ml de água filtrada

Ágar Sabouraud Para 100 ml de meio de cultura

Peptona 1,0g Extrato de levedura 0,5g Glicose 2,0 g Agar 1,5 g

Como fazer: • Pese os componentes do meio (peptona, extrato de carne etc.) em uma balança • Coloque as substâncias já pesadas nos frascos em que serão autoclavados, adicione água até completar o volume de 100 ml e misture a solução. • Tampe os frascos com uma rolha hidrofóbica e autoclave durante 15 minutos.

 

Na impossibilidade de obter esses dois meios de cultura, você poderá utilizar o agar cenoura. Veja como preparar esse meio de cultura, na descrição do experimento “Ubiqüidade de microorganismos”.

Distribua os meios nas placas de petri e identifique-as como área suja e área tratada com desinfetante e controle.

Fase 2 - Seleção do desinfetante e área a ser testada

Escolha um desinfetante qualquer que você utiliza em sua casa, ou, se você for realizar o experimento na escola, peça aos alunos que levem desinfetantes para a aula prática.

Você poderá testar qualquer superfície como: chão, bancadas, mesas, pias, maçanetas etc.

Proponha a divisão da turma em grupos e sugira a cada grupo de alunos que realize o teste com um desinfetante diferente. Na superfície escolhida devem ser marcadas duas áreas de aproximadamente 10 cm2. Uma área, denominada “limpa”, que será tratada com desinfetante, durante 10 a 15 minutos, e outra área, denominada “suja”, onde não será aplicado esse produto.  

Fase 3 -

Próximo da chama, molhe a zaragatoa na solução salina e passe na “área suja”. Depois passe a zaragatoa nos meios de cultura.

Fase 4 -

Na “área limpa” coloque um pouco do desinfetante e espalhe. Deixe agir por 10 a 15 minutos. A seguir, molhe outra zaragatoa na solução salina e passe na área.

Realizado esse procedimento guarde as placas e após uma semana observe o crescimento microbiano

Fase 5 -

Assista o vídeo mostrando o procedimento

Fase 6 - Resultados

Veja a seguir os resultados do experimentos que realizamos no laboratório do pontociência

Desinfetante pinho (eliminação completa)  

Fase 7 - Resultados

Segundo desinfetante (não foi completamente eficiente)

Fase 8 - Resultados

Superfície tratada com Alcool

Agar Sabourand (colônia de fungos na área tratada)

 

Fase 9 - O que acontece

O que acontece

Ao analisar as fotos anteriores observamos que, mesmo após o tratamento com os produtos desinfetante, houve crescimento de alguns organismos, mas, em geral, houve eliminação significativa de bactérias e fungos. O primeiro desinfetante testado- a base de pinho- eliminou totalmente os organismos na área tratada. Já o segundo desinfetante não foi 100% eficiente. Mesmo após o tratamento da área com o produto foi possível o crescimento de uma colônia bacteriana (em destaque na foto). O mesmo aconteceu com o tratamento com o álcool- na área tratada houve crescimento de uma colônia de fungo. Podemos ver que realmente os desinfetantes são muito eficientes, mas nem todos são capazes de eliminar completamente os microorganismos. Isso ocorre porque esses produtos destroem as formas mais abundantes dos microorganismos (as formas vegetativas), mas as formas mais resistentes (esporuladas) nem sempre são eliminadas. As bactérias com capacidade de esporular, quando se encontram em ambientes desfavoráveis, iniciam o processo de esporulação. Os esporos resultantes deste processo são estruturas resistentes, que tem a capacidade de preservar a espécie até que melhores condições ambientais prevaleçam. O que confere esta resistência aos esporos é, dentre outras coisas, a estrutura da parede que o envolve: ela é espessa, formada por várias camadas protéicas, garantindo assim a preservação do material genético no seu interior. Em condições ideais o esporo reverte ao estado vegetativo e dá origem a novas bactérias. Desta forma, a esporulação confere às bactérias, a resistência a uma gama de produtos químicos, desinfetantes, altas temperaturas, desidratação, radiação etc.

Fase 10 - Para saber mais

Recomendações para o uso correto dos desinfetantes

A utilização do desinfetante dependerá dos objetivos de eliminação microbiana e da superfície a ser tratada. Por exemplo, para limpar um machucado ou ferida na pele você não deve utilizar desinfetantes por que além de matar as bactérias que estão presentes no machucado esse produto danificará as células e tecidos do corpo porque, em geral, são tóxicos. Já o álcool pode ser utilizado com essa finalidade. Para alcançar o objetivo de uma superfície livre de agentes microbianos é necessário seguir algumas recomendações importantes:

• Ler o rótulo do produto antes de utilizar estando sempre atento as recomendações de segurança e preservação da saúde. • Utilizar as concentrações recomendadas: a diluição de alguns produtos pode comprometer a eficiência na eliminação microbiana • Deixar o tempo de atuação necessário. • Observar a possibilidade de reutilização e a durabilidade de cada produto

 

 

Fase 12 -

Faça o download do experimento

Você pode fazer o download do experimento clicando aqui.

O formato utilizado é o adobe acrobat. Baixe o programa para ler o texto gratuitamente aqui.

Comentários - 0 Comentários

Você precisa estar logado para comentar.